Abortos de amor...

Nada é de graça... simples assim. Todos os dias a vida nos traz novidades, situações que temos que escolher... viver. Nós nunca sabemos de antemão o resultado dessas escolhas... como saber? E mesmo no auge de uma grande alegria, como ressaca depois de um grande porre, a tristeza... com o arrependimento de ter ido naquela direção. Sim, claro vamos dizer... valeu a pena... aprendi... Mas, as lagrimas caem sem esperança quando vemos nos olhos daquele que trouxe tanta alegria o baixar de um olhar arrependido... Não quero te magoar. Mas, plantou dentro de mim a esperança de ser completa. E agora, que os meus dias ficaram cheios de voce? E agora o que fazer com o que concebemos... ? O que fazer com o seu cheiro no travesseiro... com minha mão que busca seu peito a noite? As risadas, o carinho? O que fazer com um broto de um amor que nem teve chance de respirar? O que fazer quando na minha vida só existem abortos de amor... Chego a imaginar que nunca terei a chance de ser amada... pois, eu amo.... amo... me entrego e no final morro. Morro mais um pouco pra mim, morro pro mundo...pedaços que são arrancados pela decepção... É quase uma obsessão do destino em me enganar... e eu me apaixonar. Meu coração não bate mais, ele apenas balbucia... murmura palavras de um sobrevivente, que se banha nas lagrimas que caem dos meus olhos... Sei, amanha é outro dia... Mas, tenho medo do amanha. Tenho medo das surpresas. Tenho medo de me entregar... porque a minha natureza me faz vulnerável, me faz frágil diante da dor. Não quero mais andar.. nem olhar. Só ficar escondida na minha concha. Pra sempre escondida de mim mesma. 

Postagens mais visitadas deste blog

Decisão

Transformação

Viver